Compartilhe no Facebook

Os que confiam no SENHOR são como o monte Sião, que não se abala, firme para sempre.

A segurança da família
que confia em Deus

Salmo 125



“ 1 Os que confiam no SENHOR são como o monte Sião, que não se abala, firme para sempre. 2 Como em redor de Jerusalém estão os montes, assim o SENHOR, em derredor do seu povo, desde agora e para sempre. 3 O cetro dos ímpios não permanecerá sobre a sorte dos justos, para que o justo não estenda a mão à iniqüidade.
4 Faze o bem, SENHOR, aos bons e aos retos de coração. 5 Quanto aos que se desviam para sendas tortuosas, levá-los-á o SENHOR juntamente com os malfeitores. Paz sobre Israel! ” (Salmos 125:1-5 RA)

INTRODUÇÃO

Definitivamente, Deus ama a família! E quando Ele a criou (Adão e Eva) lhe deu toda condição de crescer e se multiplicar. Ele fez uma promessa em Abraão em Gênesis 12: “Abençoarei os que te abençoarem e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; em ti serão benditas todas as famílias da terra.” A promessa feita a Abraaão era que Deus iria abençoar, por meio da descendência dele, todas as famílias da terra. Assim, a família esta alicerçada numa promessa de Deus.
Muitos pais e mães de família buscam segurança na cultura, dinheiro, trabalho, educação, ciências (médica, psicologia etc), religião, no governo etc, mas não encontram, porque essas coisas são incapazes e circunstanciais. Somente Deus é o nosso refúgio e fortaleza eterna, socorro bem presente na tribulação, amigo para todas as horas e consolo nas aflições.

No salmo 125, encontramos princípios que norteiam a segurança que a família tem se confiar em Deus e perseverar em cumprir a Sua vontade:

I – A FAMÍLIA QUE CONFIA NO SENHOR É FIRME COMO UM MONTE ROCHOSO.

O versículo 1 sobre “…os que confiam no Senhor”. O verbo confiar (no hebraico é bãtah), significa na língua original: sentir-se seguro, estar confiante, estar despreocupado.
Uma das maneiras de confiar em Deus é expressa no conceito de dependência, de entregar-se a Ele sem hesitar, como uma criança à sua mãe. Será que é assim que temos nos entregado ao Senhor?
Este salmo fala do “Monte Sião”. "Sião" era uma das colinas ao redor de Jerusalém, lugar onde Salomão construiu o Templo (veja 2Samuel 24.18). Nos serve de símbolo da graça, amor, força, soberania e presença de Deus na vida do Seu povo. No hebraico, a palavra Sião (tsiyôn) significa lugar de defesa, fortaleza.
O texto acrescenta que o monte sião não se abala. Assim nossa confiança em Deus produz segurança "não se abala". Apesar disso, ninguém está livre de ataques, "tremores" de todos os tipos. Entretanto, a promessa nos garante que não sofreremos qualquer "trinca" durante o processo de provas. Que tipo de abalo sua família está sofrendo atualmente?
Será que temos confiado a Deus nossas lutas com os filhos, marido e mulher? O segredo é confiar em Deus, e quem confia descansa, espera sem ansiedade. Ezequias confiou no Senhor diante da ameaça de Senaqueribe da Assíria em 2Crônicas 32.1-8. Ao ver que Jerusalem iria ser atacada Ezequias fez a sua parte fortalecendo os muros e mandando secar as fontes de água que haviam fora do palácio para que os exércitos inimigos não encontrassem água. Mas, apesar de todos estes preparados Ezequias demonstra que sua confiança estava realmente em Deus conforme ele diz nos verso 7 e 8: “Sede fortes e corajosos, não temais, nem vos assusteis por causa do rei da Assíria, nem por causa de toda a multidão que está com ele; porque um há conosco maior do que o que está com ele. 8 Com ele está o braço de carne, mas conosco, o SENHOR, nosso Deus, para nos ajudar e para guerrear nossas guerras….”.

II- A SEGUNDA IMPORTANTE VERDADE DESTE SALMO É QUE DEUS NÃO DESAMPARA A FAMÍLIA QUE O TEME E OBEDECE.

No versículo 2, o salmista faz uma comparação entre Jerusalém e o povo de Deus, e assim como os montes cercam ou protegem Jerusalém, assim está o Senhor para com o Seu povo. A certeza de que Deus está conosco é importante pois ela gera a paz de espírito (ausência de inquietação interior) e ânimo (força perseverante e corajosa) para continuarmos lutando até a completa vitória.
Os montes em redor de Jerusalém eram uma espécie de proteção ou escudo natural contra os inimigos de Jerusalém. Nossas famílias também possuem inimigos: a criminalidade, a desestrutura conjugal, as drogas nas escolas e as más companhias para os filhos (rebeldia), o desemprego, as enfermidades etc…, mas podemos a graça do Senhor incansavelmente nos cerca.
No verso 3, o salmista fala de "cetro dos ímpios" e aqui este termo" faz referência a autoridade, o poder e a influencia que os ímpios possuem. Vivemos em tempos onde as influências dos meios de comunicação, TV, internet, etc.., procuram impor seus valores sobre a família, distorcendo valores cristãos e atrapalhando o diálogo em família. Mas neste verso há uma promessa para os que confiam: “O cetro dos ímpios não permanecerá sobre a sorte dos justos, para que o justo não estenda a mão à iniqüidade.”
Nós cristãos precisamos nos render ao governo de Cristo. Jesus nos ensina a dizer: “Venha sobre nós o teu reino.” Quando o reino de Cristo vem sobre nossas vidas e famílias então vencemos todos os tipos de "cetros", ou "setas malignas" que são enviadas do inferno contra as nossas famílias, por meio da oração perseverante, do estudo da Palavra de Deus e da comunicação aberta, franca e respeitosa dentro do lar.

III – DEUS ABENÇOA A FAMÍLIA QUE PRATICA SUA PALAVRA E FAZ BOAS OBRAS.

No versículo 4, o salmista ora para que Deus faça o bem, ou abençoe as famílias "boas" e "retas de coração". O que ele quis dizer com isso? Ser "bom" não é ser perfeito (veja Salmo 37.23), mas é ser como Jó, que amava e temia a Deus e se "desviava do mal" (Jó 1.8).
Praticar a Palavra dentro do lar é um dos grandes desafios que a família moderna enfrenta.
A palavra do Senhor diz nos Salmos 106:3 que são: “Bem-aventurados os que guardam a retidão e o que pratica a justiça em todo tempo.” Nos Salmos 34:14 somos também lembramos deste mesmo princípio: “Aparta-te do mal e pratica o que é bom; procura a paz e empenha-te por alcançá-la”. E ainda em Mateus 7:26 nos acrescenta: “E todo aquele que ouve estas minhas palavras e não as pratica será comparado a um homem insensato que edificou a sua casa sobre a areia;”
Nos versículos 4 e 5, temos a garantia de que se perseverarmos em obedecer à Palavra de Deus, Ele nos livrará da destruição que inevitavelmente alcançará a família dos ímpios, e os exemplos que comprovam essa afirmação podem ser vistos todos os dias no noticiário.

CONCLUSÃO

Este salmo termina nos dando garantias de que Deus não ira falhar em cumprir suas promessas na vida daqueles que confiam em seu poder. Nos versículos 4 e 5, temos a garantia de que se perseverarmos em obedecer à Palavra de Deus, Ele nos livrará da destruição que inevitavelmente alcançará a família dos ímpios. E os exemplos que comprovam essa afirmação podem ser vistos todos os dias no noticiário. Os ímpios e suas famílias sofrem dolorosamente as consequências de seus pecados contra Deus.
Lembremos que foi por causa de seu amor aos seus, que Deus reteve a sua ira contra Sodoma e Gomorra até que todos os justos e suas famílias saíssem daquele lugar. Assim meu amado irmão, é o amor que Deus pela sua vida que retém a destruição do mal contra a sua casa. Portanto, confie no amor de Deus.
E lembremos finalmente, que a segurança da família está na obediência à Palavra escrita de Deus:
· Quem "ensina a criança no caminho que deve andar" (Pv 22.6), não precisa temer o futuro.
· O marido que ama a sua esposa, e a mulher que é submissa ao marido, passam uma mensagem positiva a seus filhos.
· Cuidar dos idosos de nossa família é privilégio e não carga (veja Efésios 6.1,2).
Fique com as palavras do salmista declaradas no salmo 127:1: “Se o SENHOR não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam…”.
Que abençoe nossas famílias! Fica na paz!


Pr Josias Moura de Menezes





Palavra ministrada pelo Pr Josias Moura no culto da família da Igreja do Betel Brasileiro Geisel em João Pessoa